Saltar para o conteúdo

Pensar o futuro: o mercado brasileiro

19.05.2020 • 10:03
0

Dedicamos a edição de hoje ao mercado brasileiro, um mercado emissor que até à eclosão da pandemia registava um crescimento muito significativo. Para nos ajudar a perceber a situação actual no Brasil e a perspectivar o futuro, contamos com o testemunho fundamental do Delegado do Turismo de Portugal no Brasil, Dr. Bernardo Cardoso.

Os tempos são, sem dúvida, conturbados e o futuro uma incógnita, no entanto, nos últimos anos, Portugal afirmou-se no Brasil como um destino de eleição. Mais do que a História, uma língua e o Atlântico que nos unem.

Assista também à Tourism Trade Talk dedicada ao Brasil que decorreu na passada semana.

Leia ainda a situação actualizada do mercado brasileiro no guia “COVID-19 – Mercados Externos”, (última actualização a 13 de Maio) publicado no portal Travel BI do Turismo de Portugal.

Um texto da autoria do Delegado do Turismo de Portugal no Brasil
Dr. Bernardo Cardoso

“Portugal é o país mais antigo da Europa, tendo se unificado em 1492.

É um pequeno país tendo em conta que, atualmente, ocupa uma área de 88.889 km2, com 218 km de largura, 561 km de comprimento e 832 km de costa atlântica, área menor que o estado de Santa Catarina, no Brasil. Mesmo assim, a sua diversidade geográfica e cultural compostas por uma panóplia de sotaques, paisagens, gastronomias, costumes e arte encantam todos o que o visitam e em especial, os turistas brasileiros.

Nos últimos cinco anos, o número de turistas brasileiros, em Portugal, mais do que duplicou, crescimento que se manteve até ao início de 2020 e, apenas, se alterou devido à pandemia.

Para além do crescimento dos fluxos e receitas, registou-se igualmente uma alteração positiva na percepção de Portugal como Destino Turístico e, na minha opinião, a Região Centro de Portugal muito contribuiu para o excelente posicionamento da imagem de Portugal no Brasil.

A diversidade da Região Centro de Portugal, autenticidade e genuinidade do seu povo, a segurança e a facilidade de circulação, tornam desta região um potencial de atratividade turística. Os parques e reservas naturais, as paisagens protegidas, monumentos grandiosos, sua imensa riqueza cultural e gastronómica, fazem com que o brasileiro se identifique com a região, com os seus valores e com as suas gentes.

Todos os brasileiros, que viajam, falam na Vila Óbidos, de Fátima, da onda gigante da Nazaré, Universidade de Coimbra, leitão da Bairrada, doces de ovos moles de Aveiro, porcelana Vista Alegre, Vinho do Dão, Serra da Estrela, Pedro Alvares Cabral e de Belmonte, Monsanto ou dos Templários, entre outros atrativos desta região de Portugal.

Hoje, nenhum destes nomes, são desconhecidos para a maioria dos brasileiros, que em janeiro foram o número um de turistas internacionais na Região Centro e, em fevereiro, só foram superados pelos espanhóis. Estes dados mostram bem a força do mercado Brasileiro e a importância dele para reduzir a sazonalidade no nosso país. É sempre bom lembrar que é, um país do hemisfério sul, onde o inverno é o nosso verão!

O momento atual veio travar este crescimento exponencial que estávamos vivendo, mas não a vontade que o povo brasileiro tem de visitar a região. Apesar dos números extraordinários já conquistados, muitos desafios estão pela frente.

O primeiro deverá acontecer na perceção dos viajantes e por isso, é importante focarmos as nossas avaliações no comportamento do consumidor. É certo que valores como segurança e confianças irão influenciar em muito a decisão de escolha dos turistas e, em especial, do turista brasileiro.

Esta pandemia mostrou que é possível termos um turismo mais consciente, respeitando mais o meio-ambiente, valorizando a cultura local, a história do lugar da região e do próprio país. Neste sentido, a relação e entendimento entre o lugar e o turista será, provavelmente, uma nova tendência.

A escolha de espaços rurais e/ou territórios de baixa densidade serão, igualmente, características prementes na procura turística e que irão definir novas tendências, às quais a Região de Turismo do Centro conseguirá responder convenientemente.

Portugal é um país autêntico, cheio de tradições e de costumes, a sua diversidade e a forma genuína como recebe quem nos visita são fatores de diferenciação e fundamentais para garantir uma maior atratividade aos viajantes. Experiências mais interativas e de maior ligação com a comunidade serão um grande diferenciador no futuro próximo. É fundamental desenvolver um turismo por todos, mais consciente e garantir uma maior sustentabilidade econômica da região.

A ligação entre a comunidade e o turista será um fator determinante em relação à concorrência. Neste quesito, partimos claramente á frente. Está no nosso DNA, o prazer de receber. A capacidade de inovar e proporcionar experiências diferenciadas, será um outro desafio e terá de ser alinhado com o impacto ambiental e social.

A pequena dimensão da maioria das empresas de turismo obriga a uma maior parceria e complementaridade. O empreendedorismo é uma das receitas para o sucesso. O cooperativismo tem como propósito unir pessoas com o mesmo objetivo, construir algo sustentável que não seria possível de forma isolada.

Neste difícil período, é necessário incentivar e apoiar estes modelos como forma de crescimento. As empresas portuguesas já mostraram esta iniciativa durante a crise de 2011 e saberão novamente estar à altura de tão desafiante transformação. É igualmente importante conhecer melhor o mercado com quem irão comunicar e, apesar de falarmos a mesma língua, nem sempre passamos a mensagem precisa. 

Com hábitos de compra singulares é necessário prestar atenção aos detalhes do turista brasileiro e fazer alguns investimentos. Por exemplo, para o brasileiro, o parcelamento das compras é um costume, principalmente quando se trata de um valor alto. Não interessa a condição social, este hábito de consumo é generalizado e relevante na hora da decisão da compra. O brasileiro adora ser acarinhado e não abre mão de uma boa refeição e acompanhada de um bom vinho. Para este público, a qualidade da oferta de produtos e serviços é fundamental na sua viagem de férias.

Por tudo isto, é fundamental entender os hábitos de consumo destes turistas, muito semelhantes aos de outros países da América Latina. O Centro de Portugal é sem dúvida um destino decisivo na retoma do turismo. A sua simplicidade, autenticidade e ampla e diversidade de oferta despertam muito interesse e curiosidade aos brasileiros.

A estratégia de promoção turística desenvolvida pelo Turismo de Portugal propõe apresentar ao mercado, de forma integrada e articulada, uma oferta que conjuga urbanidade com história e tradição; natureza com desporto; saúde e bem-estar com gastronomia e vinhos; romarias com sol e praia, turismo náutico e fluvial; charme e gourmet com tascas e petiscos. Uma diversidade concentrada!

Faço parte de uma equipa que ajudou a mudar a percepção de Portugal no Brasil e ficarei muito orgulhoso em poder contribuir estrategicamente na retoma do turismo de meu país quando tudo isto passar. Neste momento, meu trabalho é entender as tendências e poder partilhar as melhores estratégias para cada região.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.